« Voltar

O que é a timpanoplastia?

  • Dia 5 de Março de 2018

O que é timpanoplastia?

A timpanoplastia é o procedimento cirúrgico para reconstruir amembrana timpânica, geralmente quando perfurada por alguma razão, sendo a mais comum delas a otite média. Essa reconstrução é feita pela utilização de um enxerto medial ou lateral à membrana do tímpano.

Quais são as causas e as consequências das perfurações do tímpano?

As perfurações do tímpano são mais problemáticas quando causam perda auditiva e/ou otorreia crônica. A maioria das perfurações da membrana timpânica surgem como sequelas da otite média, como complicações da inserção de objetos na orelha ou como resultado de traumas de pressão sobre o ouvido. As perfurações menores da membrana timpânica podem levar a uma perda auditiva para sons de baixa frequência, enquanto as perfurações maiores geralmente causam perdas auditivas também para sons de alta frequência.

Quem deve e quem não deve fazer a timpanoplastia?

Embora muitas perfurações curem-se espontaneamente, aquelas que persistem, apesar de tratamentos clínicos, devem ser consideradas tributárias da timpanoplastia. A cirurgia não deve ser feita naquelas pessoas em que haja uma infecção ativa. Os objetivos cirúrgicos são, não apenas fechar a perfuração, mas também melhorar a audição do paciente.

Em que consiste a timpanoplastia?

Antes da timpanoplastia ser realizada deve ser tratada qualquer infecção que esteja presente, uma vez que operar enquanto há infecção é contraindicado. Há diversas técnicas para efetivar a cirurgia, dependentes das condições clínicas do paciente, das preferências do cirurgião/otorrinolaringologista e de um variável número de material viável para tamponar o tímpano. A cirurgia pode ser levada a cabo sob anestesia local ou geral, conforme a extensão da lesão. O uso do microscópio ajuda a ampliar a visão das estruturas do ouvido, dando ao cirurgião/otorrinolaringologista uma visão mais detalhada da região a ser operada.

Antes de tamponar o tímpano o cirurgião verificará se a cadeia de ossículos do ouvido médio (martelo, bigorna, estribo) está móvel e funcionante e, se positivo, o restante da cirurgia consistirá em reparar o defeito dotímpano (miringoplastia). Se for necessária uma reconstrução dessa cadeia ela deverá ser feita antecipadamente e a cirurgia se torna um pouco mais complexa e demorada (timpanoplastia). Em seguida, uma porção de tecido é retirada da parte posterior da orelha ou do tragus (pequeno lóbulo cartilaginoso em forma triangular, em frente à orelha) e depois, devidamente preparada, ela é aplicada ao tímpano para fechar a perfuração.

Após a cirurgia um curativo estéril é feito externamente no ouvido e o paciente retorna para a sala de recuperação. Depois de duas ou três horas o paciente pode retornar para casa. Antibióticos podem ser dados preventivamente, bem como analgésicos para prevenir ou aliviar a dor. Após cerca de dez dias o curativo pode ser removido, mas o paciente já pode voltar às suas atividades em cinco ou seis dias, desde que elas não envolvam excessos físicos. Molhar o ouvido ou assoar o nariz devem ser evitados.

Na maioria das vezes este procedimento cirúrgico não é feito antes de sete anos de idade. Embora haja controvérsias sobre a melhor idade para que ele seja realizado, muitos autores acreditam que as crianças na pré-adolescência teriam maior possibilidade de sucesso cirúrgico.

Quais são os efeitos colaterais da timpanoplastia?

Na primeira semana depois da timpanoplastia pode haver desequilíbrio e tonteira, que geralmente cessam depois de uma ou duas semanas. A tonteira é menos comum nas operações que envolvem apenas o tímpano.

Os zumbidos no ouvido podem ser consequência da própria perfuração do tímpano e com o fechamento dele essa sensação cessa. Contudo, o zumbido é imprevisível e em alguns casos ele piora temporariamente depois da operação e é raro que seja permanente. Não se conhece uma explicação para isso. A perda de audição após a cirurgia pode se dever a outros fatores que não a timpanoplastia em si. Um pequeno nervo chamado corda timpânica corre junto ao ouvido e se dirige às papilas gustativas e se ele for acidentalmente lesado durante a cirurgia, pode ocorrer transitoriamente um gosto metálico na boca.

Como evolui a timpanoplastia?

Em mais de 90% dos casos a timpanoplastia é bem sucedida e um teste de audição deve ser feito entre quatro e seis semanas depois da operação. A maioria dos pacientes experimenta significativa melhora da audição após o enxerto e uma perda total da audição no ouvido operado é rara. A falência da timpanoplastia ocorre por infecção, pela penetração de água dentro do ouvido ou por rejeição do implante. Após três ou quatro meses, o ouvido já pode receber água e o paciente pode inclusive voltar a nadar.

Quais são as complicações possíveis da timpanoplastia?

As principais complicações da timpanoplastia incluem recorrência da perfuração, retração da membrana timpânica, otorreia, colesteatoma, distúrbios do paladar e perda auditiva.
 

Fonte: ABC Med